Paróquia de Sant’Ana se despede do Pe. Toninho

Capa no 1

Marcelo Henrique de Lima*

          O último final de semana foi um dos mais emocionantes da história da Paróquia de Sant’Ana. Finalmente, chegou ao fim a ‘agonia’ que se estendeu por quase 2 meses, iniciada com a notícia de que o Pe. Toninho deixaria a paróquia para cumprir uma outra missão na diocese: tornar-se reitor do, recém reaberto, Seminário Propedêutico da Diocese de São Carlos.

          O Seminário Propedêutico é o primeiro período do tempo de formação para o Sacerdócio. É um tempo introdutório, de discernimento para aqueles que se sentem vocacionados. Serve também como preparação para a entrada definitiva no Seminário Maior, para as etapas de formação filosófica e teológica.

          As despedidas e homenagens aconteceram de forma gradual na Paróquia Sant’Ana. De maneira simples e singela, as pastorais e comunidades se organizaram, cada uma a seu modo, e fizeram confraternizações, almoços e prepararam lembranças ao longo das últimas semanas. Na Matriz de Sant’Ana, a data escolhida foi sábado, 29 de julho, na missa das 17h00. Estiveram presentes representantes das pastorais, movimentos, grupos e setores para prestarem a última homenagem ao seu pároco.

          Durante quase 8 anos à frente da paróquia, Pe. Toninho cumpriu com excelência sua missão de sacerdote, fazendo valer em gênero, número e grau o slogan da paróquia: ‘Cultivando a Fé. Evangelizando com Amor!’

          Muito mais do que simplesmente ser o líder espiritual da paróquia, e cumprir o papel que lhe foi atribuído pela Igreja, conseguiu reconquistar a confiança da comunidade, incentivou o trabalho pastoral, o fortalecimento dos movimentos, grupos e setores, além de contribuir para que o bairro encontrasse na igreja de Sant’Ana um espaço de comunhão e evangelização.

          Como é público e notório, o papel de um padre em uma paróquia é de extrema importância para a emancipação da comunidade. Cabe ao sacerdote, para além da celebração eucarística, em prol da comunidade, fazer uso dos seus conhecimentos e experiências pessoais, nas áreas da teologia, educação, administração, assistência social, psicologia, entre tantas outras áreas exigidas na dinâmica do exercício da missão.obrigado-igualmente

          Muito se diz dentro da igreja, que as pessoas precisam se envolver no trabalho de evangelização e participar da vida comunitária pela proposta de Jesus Cristo e não por causa do padre do momento. Porém, a realidade se impõe a essa teoria. Na concepção estrutural das paróquias, a capacidade de liderança, o carisma pessoal, o conhecimento da Palavra e a sensibilidade do ‘Bom Pastor’ são condições essenciais para que o envolvimento comunitário aconteça, espontaneamente, e seja despertado nas pessoas o desejo de seguir a luz do Cristo.

          Nesse particular, padre Toninho, sobrou. Além de ter ajudado a trazer de volta muitas pessoas que tinham se afastado da igreja e da paróquia por diversos motivos, já está deixando muita saudade a todos aqueles que caminharam junto com ele nesses últimos anos. Essa saudade será não só da pessoa Antonio de Marcos, mas, também, do querido Pe. Toninho.

 

          Arrisco dizer que seu maior ‘trunfo’ como sacerdote católico é o dom da Palavra, revelado sempre na força e contundência das suas homilias que tocavam fundo em todos os que participavam das suas celebrações.
Enquanto coordenador da Pascom, consegui fazer com que ele superasse, em bom grau, sua timidez em exposição pública, convencendo-o a publicar suas homilias. Já a publicação de filmagens precisaria de mais alguns anos para que o convencimento chegasse a termo, se é que isso aconteceria de fato. Ele é muito rigoroso com o pronunciamento da Palavra de Deus e cuidadoso com a ‘impecabilidade da Palavra’, seja ela sagrada ou cotidiana. Nunca o vi desperdiçando tempo com divagações e ‘conversas circulares’. Sua objetividade na comunicação é exemplar. Verdadeiro representante daqueles que vivem o rigor da máxima: ‘calar é ouro, falar é prata.’

          O fim do ciclo da recente transformação da paróquia de Sant’Ana, iniciado com a chegada do Pe. Toninho, deixa uma paróquia mais organizada e mais amadurecida, tanto na fé, quanto no trabalho pastoral. Esse amadurecimento se verificou pela forma com que a comunidade reagiu à notícia da sua saída. Não houve abaixo-assinados, nem manifestações públicas pela permanência do pároco, muito embora houvesse o árduo desejo de que ele jamais nos deixasse. Como ele mesmo disse, os padres são padres da Igreja Católica e não, tão somente, de uma paróquia específica; os padres passam e as comunidades ficam.

          Com relação ao trabalho pastoral, a construção do Plano de Pastoral Paroquial de Sant’Ana, realizado nos últimos meses, é sinal positivo do encaminhamento dado pelo Pe. Toninho dentro das Diretrizes da Ação Evangelizadora no Brasil, pontuado pela CNBB, bem como pelo espírito com que o Bispo Dom Paulo Cezar anunciou o Plano de Pastoral Diocesano.

          Resta agora, deixar que a saudade faça o seu papel de guardar nas memórias afetivas, as boas lembranças e ensinamentos deixados pelo Pe. Toninho. Que Deus o abençoe sempre e que ele possa contribuir com a formação de novos padres a seu exemplo.

* Marcelo Henrique de Lima
é coordenador da Pascom Sant’Ana

Veja imagens das despedidas na paróquia

***********************

**************

***************

 

 

 

Paróquia Sant'Ana

Pastoral da Comunicação da igreja de Sant'Ana, da Diocese de São Carlos. Acreditamos que as novas tecnologias e meios de comunicação são ótimas ferramentas para evangelizar e propagar a da palavra de Deus.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *