Santa Catarina de Alexandria

Santa Catarina de Alexandria

 

25 de novembro foi o dia da morte de Catarina,

no final do século 3 d.C. na cidade de Alexandria no Egito

 

Sta Catarina de Alexandria          Santa Catarina nasceu em Alexandria, cidade principal do Egito. Era filha de uma ilustre família da antiga nobreza, descendente, em linhagem direta dos reis e governadores do país. Possuía inúmeros dons, tanto físicos como morais e era dotada de uma inteligência clara e brilhante. Dois sábios de Alexandria foram os seus mestres e, tão rápidos foram seus progressos, que aos treze anos era mestra nas sete artes livres: eloquência, poesia, música, arquitetura, escultura, plástica e coreografia.

          Quando seu pai, rei Costus, faleceu, Catarina retirou-se com sua mãe Sabinela para as montanhas da Cilicia onde travou conhecimento com Ananias, velho sacerdote, amável e comunicativo. Ananis transmitiu a Catarina os mistérios da religião Cristã. Querendo, porém, convencer-se também interiormente das verdades do cristianismo, não submeteu logo seu entendimento ao jugo da Cruz.

          Sua mãe que já era cristã, empenhava-se em trazer a filha para a Igreja e procurava um esposo que fosse digno da filha. Esta, porém, não achou nenhum pretendente de seu agrado.

          Um sonho significativo que tiveram mãe e filha, foi o meio empregado por Deus para chamar Catarina à verdadeira fé. Desejosa de conseguir aquilo que o sonho lhe prometera, instruiu-se nas verdades da religião cristã. Suficientemente preparada, recebeu Catarina o santo batismo. Confiaram o reino a um governador e voltaram para Alexandria.

          Com a morte da mãe, Catarina procurou relações de amizade com servos e servas de Deus e transformou sua residência em lar cristão. Progrediu tão rapidamente na ciência divina que, dentro em pouco, era mestra na ciência da fé. Tendo apenas dezoito anos, em discussões públicas, confundiu os maiores filósofos da cidade natal.

          O imperador Maximiano havia decretado uma perseguição aos cristãos e sua doutrina. Tendo conhecimento do grande preparo de Catarina, prometeu um prêmio ao filósofo que conseguisse afastar a jovem da religião cristã. Numa discussão pública, para a qual Catarina foi convidada, tudo fizeram para desorientá-la. Ela, porém, iluminada pelo Espírito Santo, respondeu-lhes com tanta clareza e sabedoria, que os próprios filósofos abandonaram o erro.

          O imperador, surpreendido pelo êxito inesperado da discussão, procurou, por todos os meios, arrancar Catarina do cristianismo. Adulações e promessas de fazê-la imperatriz, foi tudo em vão.

          Com soberano desdém, a donzela repeliu as ofertas de Maximiano. Cheio de raiva, o monarca empregou, então, a violência e a crueldade. A jovem foi lançada em um cárcere escuro, onde ficou doze dias. Quando saiu de lá era mais linda e deslumbrante que nunca. Como nada fosse capaz de obrigá-la a renunciar a fé, Catarina foi entregue aos algozes. Condenada ao martírio da roda, no momento, em que ia ser estendida sobre ela, fez Catarina o sinal da cruz e esta se despedaçou imediatamente. Este milagre fez com que o povo rendesse louvor ao Deus dos cristãos e a própria imperatriz confessasse a sua fé no Filho de Deus. Cada vez mais irritado e enfurecido, Maximiano percebendo que promessas, ameaças, súplicas, adulações não conseguira fazê-la apostatar, pronunciou a sentença de morte e mandou levá-la ao lugar do suplício. Após uma oração de louvor, agradecimento e súplica ao verdadeiro Deus, foi Catarina decapitada.

          Seu corpo foi levado ao Monte Sinai, onde a sepultaram. Mais tarde, sobre sua sepultura foi construído um convento, que ainda hoje existe, e é habitado por monges gregos.

          Santa Catarina de Alexandria, por seu grande saber, é padroeira dos estudantes, filósofos e advogados; por sua virgindade intata, de jovens e donzelas; para nós, Irmãs de Santa Catarina, o modelo e guia no caminho que nos conduz.

Os quatro símbolos da logomarca da Associação Congregação de Santa Catarina representam:

Roda partida: milagre
Palma: morte pela fé
Mãos:
serviço ao próximo

Espada: luta, morte e o renascimento.

 

 

História da Comunidade na paróquia de Sant’Ana

          A Comunidade de Santa Catarina de Alexandria está localizada no bairro Portal das Laranjeiras e é um bairro de chácaras, um pouco afastadas do centro da cidade. Tudo começou em 1994, com uma chacareira, a senhora Maria Valdivino, pedindo para a moradora Isilda Tozzatti da Costa e seus familiares rezarem um terço nas chácaras.
          Então um grupo começou rezando um terço uma vez por semana nas residências. E como a quantidade de participantes era grande, a moradora Isilda convidou o padre José Roberto, na época pároco da paróquia de São José, para celebrar uma missa. Essa missa foi realizada numa chácara e como a quantidade de pessoas foi muito grande, o padre Zé Roberto se comprometeu a vir celebrar uma missa por mês e cada vez em uma chácara.

          Após isso, começou a escolha do nome da padroeira. Todos os nomes sugeridos já eram de padroeiros de igrejas em Araraquara. Então, novamente o Padre José Roberto sugeriu o nome de Santa Catarina de Alexandria. Na missa seguinte ele já trouxe uma imagem dela. Assim começou a comunidade, e continuamos fazendo terço e missa nas chácaras e eventos nas mesmas para começar a levantar dinheiro para a construção.
A pequena comunidade na época batalhou muito para a compra do terreno. Fizeram almoços, pizzas e outras promoções, até arrecadar o dinheiro. Inicialmente, a capela era de madeira, porque sua construção ainda não havia sido autorizada.

          A capela era bem grande, tinha cozinha e banheiro de concreto. Todas as vezes que era celebrada a missa, era necessário deslocar cadeiras e colocar no local. A dedicação e o amor dos membros da comunidade aumentavam cada vez mais e todos estavam motivados para a construção.
O grupo era comprometido com as obras e todos buscavam estreitar os laços de amizade, confraternizando-se após cada missa, partilhando os alimentos que levavam.
No ano de 1999 a comunidade passou a pertencer oficialmente da Paróquia de Sant’Ana. O padre Joy John celebrou a missa do lançamento da pedra fundamental da capela definitiva.
No ano de 2005 o padre José Roberto assumiu novamente a comunidade e a mesma passou a pertencer à paróquia de São José, até 2008, quando passou a pertencer definitivamente a Sant’Ana.

Serviço:
* As celebrações na Capela de Santa Catarina,
   acontecem toda última quinta do mês às 19h30.
* Perfil no Facebook: Santa Catarina

*****************************

Veja a trajetória da Construção da Capela
e o desenvolvimento da comunidade.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.